Conhecendo a história dessa Maria das ULTRAMARATONAS

Hoje vamos contar a história da  ELOIZA, uma GIGANTE que enfrenta as ultra distâncias  em todos os locais e terrenos, e é fonte de inspiração para muitas corredoras que conhecemos. 

1- Nome:  Eloiza Testolin Rodrigues

2- Cidade: Caxias do Sul

3-Profissão: Técnica em Radiologia e acadêmica de Educação Física

4-Família: é onde existe amor, não necessariamente o mesmo sobrenome.

5- Como conheceu o trailrun?

Através de nosso trabalho. Eu e meu marido/treinador temos uma assessoria esportiva, a InspireRun, e estamos envolvidos com a corrida em todas as modalidades e o trail faz parte da nossa vida também. Inclusive minha história na corrida começou através do meu marido, meu maior incentivador.

6- O que motivou você a iniciar no trail run?

O contato com a natureza, a sensação de liberdade, lugares desconhecidos nos desafiando a cada passo, com terrenos e paisagens diferentes e que jamais pisaríamos se não fosse através dessas provas.

7- Qual foi a sua primeira prova?

Comecei com as rústicas de 5 km, depois 10km no asfalto, depois provas de meia-maratona e assim foi. Minha primeira maratona foi em Porto Alegre, em 2004 e me identifiquei com as longas distâncias. Minha primeira ultramaratona foi em Rio Grande, 50 Km,  em 2006 e não parei mais.

8- Qual foi a sua percepção ao realizar a primeira prova trail?

Realização com gostinho de quero mais. As pessoas perguntam o que penso durante uma prova longa. Penso em coisas boas e pessoas que me motivam, e em muitos momentos nossa mente fica vazia. Procuro correr feliz e com alegria. A sensação de terminar uma prova é indescritível e poder comemorar com os amigos que são a extensão de nossa família é maravilhoso.

9- Você nos disse que tem, com seu esposo, uma assessoria esportiva, a InspireRun.  Como são seus treinos?

Meus treinos são de acordo com a prova alvo. Alternados com musculação, treinamento funcional e a planilha de corrida.

10- Como concilia as tarefas do dia-a-dia, os treinos e as competições?

As dificuldades de “atletas da vida real” como nós que não vivemos somente do esporte, resumem-se na necessidade de “arranjar” tempo para os treinamentos, pois para provas longas os treinos são volumosos e despendem muito tempo de nosso dia. Mas quando amamos o que fazemos, conseguimos nos organizar.

11- O que você pensa à respeito do acompanhamento nutricional para os treinos e competições de trailrun?

Importantíssimo. Estarmos bem orientados com um profissional da nutrição nos dá uma maior segurança e tranquilidade durante todo processo pré, durante e pós prova e  é tão importante quanto o treinamento físico.  

12- Como é a sua alimentação pré, durante e pós prova?

Minha alimentação é simples, procuro suplementar o mínimo possível. Atualmente evito os alimentos com glúten e lactose, pelo desconforto que em excesso me causam. Nada de radicalismo, mas os evito. Durante os treinos, testamos tudo, hoje durante as ultras utilizo massa bifun (de arroz), palitinhos salgados, mariola, água, água de coco, água tônica, basicamente isso. Suplemento com sal e potássio. Chega um momento nas provas longas, que realmente não desce muita coisa, então no geral, muito mais líquidos do que sólidos. Durante as provas, intercalo minha alimentação para evitar estes “enjôos”. E pós prova, alimentação normal.

13- Quais provas te marcaram mais?

Todas provas deixam marcas, pois fazem parte de nossa história. Foram muitas provas importantes e  marcantes, onde posso citar, a Conrades, 89 Km,  na Africa do Sul; a BR 135 milhas, na Serra da Mantiqueira, na qual fui Campeã da categoria solo 6 Maratonas; a Badwater 135 milhas, no Vale da Morte, na Califórnia;  Desafrio Urubici 52 K; a Indomit; 24horas de Esteira; Ultra Desafio Farroupilha 24 horas  e inúmeras outras.

14- Qual será seu maior desafio em 2018?

A Ultramaratona dos Anjos, um sonho antigo que esse ano pretendo torná-lo realidade, juntamente com minha equipe.

15- Como você vê o momento do trailrun no Brasil?

As provas de trail run vêm se profissionalizando e crescendo com muita qualidade. Os eventos de corrida, inclusive os de trail se tornaram uma grande atração não apenas esportiva e sim familiar, pois acaba sendo um programa turístico e cultural para todos.

16- Qual prova você indicaria para uma Maria?

Primeiro, acho maravilhoso a presença feminina aumentando cada vez mais nas corridas em geral. Acredito que sempre começar por provas que tenham distâncias variadas, começando pelas menores e ir progredindo. Um passo de cada vez, e com muita paciência. Lembrem-se que a distância desejada é uma questão de tempo, que se adquire com treino e disciplina. E o mais importante é correr feliz seja onde for, curtir. Uma das provas que acredito ser adequada para iniciar no trail é o Circuito Trilhas e Montanhas, que oferece distâncias e percursos com graus de dificuldade para todos os objetivos.

17- Qual seus maiores sonhos dentro do mundo das corridas?

São muitos os desafios que tenho em mente. Um deles é participar da Arrowead 135, e completar a Copa do Mundo de Ultramaratonas. Mas essa prova, além de todo treinamento, tem um custo elevado, por isso, é necessário um planejamento a longo prazo. Participar da Ultramaratona dos Anjos é outro sonho de tempo, que como já disse, este ano pretendo realizar.

18- Na sua percepção, ser trail runner é… interagir e respeitar a natureza que nos proporciona o prazer em correr em seu meio e desfrutar de tantas sensações, belas paisagens, trajetos diversificados e o clima entre os corredores é de ajuda em meio as dificuldades que ao longo da prova aparecem.

19- Por que você indica o trailrun como prática esportiva?

Todo o esporte influencia de alguma forma várias áreas de nossas vidas e no trabalho mais ainda, onde podemos utilizar de muitas lições adquiridas em uma prova e a condição física que, melhorada, contribui para a realização de nossas tarefas, são alguns exemplos da influência da prática do esporte. E a corrida e o Trail em especial, nos presenteiam com um crescimento físico e mental.

 

Obrigada Elo, como assim os amigos a chamam, contar contigo para enriquecer nossas histórias foi demais.

As experiências trocadas nos dão enchem de coragem para continuar a enfrentar cada vez mais os nossos desafios.

Um beijão, Maria´s da Trilha

6 respostas para “Conhecendo a história dessa Maria das ULTRAMARATONAS”

  1. Show, simplesmente fantástico, parabéns a Elo e a você Maria das Trilhas que publicou esta narrativa da Elo com simplicidade, sabedoria e verdades. O mais difícil na vida é fazer o simples, e você e a Elo, fazem muito bem.
    Faço parte da família da Inspire, tenho 52 anos e comecei a fazer estas “loucuras de correr com muita responsabilidade” Inspirados na Elo, hoje faço ultras também, e vou para África em junho realizar pela segunda vez a Comrades 90k e não pretendo parar, mais uma vez parabéns a vc Maria das Trilhas.

    1. Que máximo Elson, o teu relato também será sensacional depois da tua volta da África. Fica aqui o desejo de sucesso e que tu faça uma baita prova. Abraço.

  2. Elo, vc é um anjo….. Como pode ser tão generosa e humilde??? Acolher a todos com o mesmo amor e dedicação???! Só anjo consegue!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *