As Maria’s encontraram no interior do Rio Grande do Sul uma incrível Maria Gaúcha!

     Maria’s temos a grata felicidade de compartilhar com vocês a recente história dessa gaúcha! Guardem esse nome! E, se alinharem para largar do lado dela em alguma prova por aí, não se enganem que de frágil, essa Maria só tem a aparência! Vejam que empolagante e encantadora a entrevista dela!

1- Nome: Jasieli Tagliari Dalla Rosa

2- Cidade: Trindade do Sul/RS

3- Profissão: Controladora interna Municipal

4- Família: Meu exemplo de determinação.

5- Como conheceu o trailrun?

Estava com o grupo do meu treinador na Maratona de Porto Alegre em junho de 2017 onde foi minha estreia em maratonas, e lá o grupo comentou sobre uma prova no Morro Gaúcho em Arroio do Meio/RS do Circuito Trilhas e Montanhas que seria em julho, na outra semana pedi pro meu treinador se achava que poderia fazer os 30k e ele liberou e assim fomos para minha primeira aventura nas trilhas.

6- O que motivou você a iniciar no trail run?

Eu sou uma amante da liberdade, e diante da natureza nas trilhas e montanhas a sensação é de liberdade e conexão, conhecer lugares diferentes, se desafiar a cada novo percurso, ver a solidariedade que as provas de trilhas nos apresentam foi fascinante para me motivar a conhecer mais sobre este mundo e buscar provas trail run.

7- Qual foi a sua primeira prova?

Minha primeira prova foram os 30k do Morro Gaúcho em Arroio do Meio em julho de 2017, uma prova dura, só tinha treinado estradão, não conhecia trilhas, foi dureza, lembro a primeira descida em trilha de barro fui patrolando tudo porque não sabia o que fazer heheh, ainda pra minha surpresa fiquei campeã da prova, sai de lá sem unhas, toda arrebentada hahah mas pensando quero distâncias maiores.

8- Qual foi a sua percepção ao realizar a primeira prova trail?

Foi amor à primeira vista aquela sensação de que eu nasci pra isso, sai pensando qual seria a próxima aventura.

9- Você faz parte de alguma acessória esportiva? Qual?

Eu treino com Franscisco R. Junior Tito de Porto Alegre um ultramaratonista com uma experiência incrível, em um ano de treinos sai de 02 ou 03 provas de 10km e 21km para uma ultramaratona de 81km, trabalho incrível, ser humano extraordinário, me transformou como atleta amadora e como ser humano. Moro a quase 500km de Porto Alegre mas conseguimos.

10- Como são seus treinos?

São em torno de 4 a 5 treinos por semana, dependendo a prova alvo, para TTT chegamos a ter 7 treinos por semana e treinar duas vezes por dia. São treinos de rodagem, intervalados, de velocidade, moro em uma cidade pequena que não tem pista, às vezes vou na cidade vizinha em um campo de futebol pra fazer tiros, e os longos são em estradão ou rodovia, que também é sem acostamento, mas vamos adaptando as condições.

11- Como concilia as tarefas do dia a dia, os treinos e as competições?

Como falo algumas coisas é preciso levar nas coxas, mas as primordiais a gente precisa fazer com amor que dá certo. Tenho filho de 16 anos, marido, casa, comida, trabalho o dia todo e algumas noites, faço musculação, pilates, dança. Gosto de fazer tudo bem-feito (menos faxina kkk), então meu dia às vezes começa às 04 horas da manhã pra dar conta, prioridade cuidar dos estudos do filho que está partindo para uma fase primordial, e assim planejando consigo ir dando conta, competições eles embarcam em muitas aventuras comigo, se não são eles algum amigo vai, e assim vou dando meu jeito, e adaptando, hoje todos já entendem minha ausência e o amor que tenho pelo esporte.

12- O que você pensa a respeito do acompanhamento nutricional para os treinos e competições de trailrun?

Acho muito importante, é necessário ter o apoio de alguém, mesmo que você seja amador ou profissional o aporte nutricional faz toda diferença, ainda mais em ultramaratonas que tem uma duração muito maior. Além da nutricionista tenho um amigo Médico que tem estudado muito para me ajudar, e tem feito toda a diferença.

13- Como é a sua alimentação pré, durante e pós prova?

Tenho uma alimentação bem caseira do interior, minha alimentação quase toda vem da roça dos meus pais e sogros, então grande vantagem já tenho ai.

Na noite anterior da prova costumo comer arroz, carne, massa sem glúten, tapioca, priorizo alimentos sem glúten porque meu corpo reage melhor, quanto mais longa a prova mais incremento no carboidrato.

Durante a prova sou minuciosa em tudo, diria quase calculista, uso gel de carboidrato, capsula de sal, isotônico, tudo depende a distância que estou fazendo, é preciso sempre estudar a estrutura da prova, o que ela oferece, e ver o que você precisa carregar, e claro testar tudo antes. No pós prova busco repor com quantidades de proteínas e carboidratos suficientes, se fico enjoada uso suplemento que é mais prático, ainda estou em testes devido a pouca experiência então sempre aprendo algo novo com meu corpo.

14- Quais provas te marcaram mais?

Não tenho um currículo extenso até porque tenho 1 ano e meio de provas, mas três provas que foram experiências incríveis:

– 30km Morro Gaúcho em Arroio do Meio/RS, 1º lugar geral;

– 50km da Indomit Costa da Esmeralda 2017, 1º lugar geral;

– TTT- Travessia Torres Tramandaí solo 82km realizada há alguns dias, 1º lugar geral, uma prova treinada, pensada, planejada onde tudo funcionou, mas o mais importante o grupo de amigos que fiz lá.

15- Qual será seu maior desafio em 2018?

Desde 2017 já vinha planejando meu maior desafio que seria a TTT 82km realizada dia 27/01/2018 e foi maravilhoso, deu um gás a mais pra começar o ano, sai campeã e com uma bagagem imensa.

Agora vamos planejar o resto da agenda conforme minhas condições físicas e financeiras, mas já tenho algumas provas certas: Volta Ilha em abril revezamento feminino, 50km Faccat Trail run em julho, e o Desafio Samurai 67km Mizuno Uphill em setembro. Quem sabe não rola uns 80k ou 100k de montanha ainda este ano treinador???

16- Como você vê o momento do trailrun no Brasil?

Vejo com grande crescimento, mas ainda com falta de investimento. As pessoas têm buscado alternativas para correria do dia a dia, sair do sedentarismo e da vida urbana isso ajudou crescer o trailrun, a variação de distâncias ajuda, pois todos podem participar, dos menos aos mais preparados.

17- Qual prova você indicaria para uma Maria?

Morro Gaúcho Arroio do Meio/RS, aquelas montanhas têm uma imponência, aquela natureza te faz dar valor a vida e as pessoas, é um momento incrível que as pessoas precisam passar por esta experiência.

18- Qual seu maior sonho dentro do trail?

Evoluir, aprender mais, trocar experiências, pois sou bem novata, mas tenho uma vontade imensa, depois que criar uma bagagem e pontuação começar a sonhar com o Ultra Trail du Mont Blanc – UTMB.

Quero buscar morros, montanhas e distâncias maiores. Mas sou bem realista, vontade e dedicação não me faltam, porém sabemos que os custos são altos e meu maior medo sempre é se terei condições financeiras, mas pra tudo tem seu tempo, então vamos indo.

19- Na sua percepção, ser trail runner é…

É amar e respeitar as montanhas, é entrar em contato com a natureza e se conectar com o universo, é aprender a ser solidário com as pessoas, é se tornar melhor como ser humano, é se desafiar e saber que quando tudo parece difícil o seu corpo e sua mente podem um pouco mais.

20- Por que você indica o trailrun como prática esportiva?

O trailrun promove um encontro entre pessoas de bem, pessoas evoluídas espiritualmente, pessoas que buscam melhorar a cada dia, então está aí uma ótima oportunidade para se tornar uma pessoa melhor e se desafiar diante das montanhas, ver que tudo é possível quando se tem dedicação.

Obrigada Jasi!!!

Que tua jornada no trail seja longa e repleta de realizações!

Maria’s deixem seus comentários, dúvidas e sugestões.

Aguardem que semana que vem tem mais “Na trilha com as Marias”.

MARIA’S DA TRILHA, BELAS E FERAS NA NATUREZA!

3 respostas para “As Maria’s encontraram no interior do Rio Grande do Sul uma incrível Maria Gaúcha!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *